Digite aqui qualquer palavra que faça surgir alguma poesia

Tadinha da Lua

Tanto olhares na noite
E ninguém viu a lua
Tudo bem
Não é uma coisa que se diga
- nossa que cruel
Mas mesmo assim, machuca!

A lua, tadinha,
Se não são as nuvens
São aquelas coisas de concreto
Que de tão alto,
Arranham sua plumagem,
E atrapalham aquele brilho eterno...
Pouca verdade,
perante a ela
Não é como se disséssemos
- Mas por que tinha que ser tão bela?
Mesmo assim,
Não é certo

Mau,
São às vezes,
Em que podemos apreciá-la todinha...
E tadinha...
Imaginamos que aquele forte prata
No céu escuro
É um brilho de intensa clareza
Nem nos tocamos,
Porém,
Se o tal prata é mesmo a cor da beleza!

Nenhum comentário:

Postar um comentário